"Que apesar dos pesares conserva o bom-humor, caça nuvens nos ares, crê no bem e no amor."
Carlos Drummond de Andrade

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Hoje

 
Hoje, exatamente hoje, 
eu queria apenas um abraço
Não fale nada, 
apenas me olhe nos olhos e sinta...
Deixe que a sensibilidade os leiam com ternura
Deixe que eu chore em seu peito, 
como a um filho sendo mimado
Deixe que eu sinta o afago em meus cabelos,
como a um pai mimando a seu  filho
Hoje exatamente hoje,
meus olhos sussurram...
Apenas me abrace
Já posso sentir tal ternura...
Apenas me abrace
Não exijas nada, 
eu também não quero nada
Apenas me abrace
Lene Soares

5 comentários:

  1. Simplesmente me abrace...

    Que sensibilidade amiga... Amei =D

    ResponderExcluir
  2. ...estou te abraçando nesse exato momento...feche os olhos e sinta um calor terno te aquecendo...pode chorar no meu colo,pode ficar nesse abraço,até o momento que te sentires totalmente amparada e segura,minha querida amiga.

    ResponderExcluir
  3. que tierne es tu poema,me gusto mucho

    ResponderExcluir
  4. This is so good. I am in trouble the translating, but is OK.
    Thanks!
    I follow you! :-)

    ResponderExcluir
  5. Lene,

    Um sutil acalanto a alma, é um abraço, é um poema assim!

    LINDOOO!

    Belo blog!

    Um ABRAÇO, Marluce

    ResponderExcluir